domingo, 4 de junho de 2017

Amor

O quão perto das luminárias
a mariposa pode chegar
antes de queimar as sua asas e morrer
O quão perto eu posso chegar
perto de você sem incendiar

Jack Oldpunk

domingo, 28 de maio de 2017

Xotaina

O seu perfume invade
minhas narinas
O gosto do seu sulco
permanece na minha língua
Uma dose,uma noite
Uma foda
Nunca é o bastante
A abstinência me deixa doente
Xotaina
Pra sempre

O álcool também me relaxa
Mas não me traz o prazer
Que você me proporciona
Sou um dependente químico
pra vida toda

Você me chama de machista
Sexista ,
Mas docinho não é nada disso
Sou um fraco
Apenas um drogado
E xotaina é o meu vicio
Um fraco , apenas um fraco
Permanentemente chapado

Louco de Cara



A pior coisa em não usar drogas, é que quando tu faz uma baita merda ou uma loucura , não pode colocar a culpa nelas.

Nutella

Tu é o cara mais foda
No mundinho que é só seu
Acredita nas suas mentiras
Uma vida que você não viveu
Não tem cheiro de rua
Tua rebeldia é mais falsa que novela

Nutella

sábado, 20 de maio de 2017

Leitoras do Blog


Alvorada

Na ampulheta do tempo
A areia nunca para de cair
Talvez algum dia por descuido
ou capricho
Ela se quebre em milhares de pedaços
e todos os seus melhores sonhos
Irão para o ralo
perdidos para sempre no espaço
Sem lógica alguma
ou justiça divina
Você nasceu para perder

Um dia você vai morrer
Mas todos os outros, baby
Você vai viver

Amanhã não tenho para onde ir
Desesperadamente
buscando um lugar
qualquer lugar para dormir
Um colchão macio e lençóis limpos
É tudo o que eu preciso
para entender porque as estrelas
Não me levam para o paraíso
Uma guerra sem armas
feita de silêncios e ausências
Em um longo beijo de língua
Com a solidão
todos nascem para perder

Um dia você vai morrer
Mas todos os outros, baby
Você vai viver



domingo, 9 de abril de 2017

Anarquia

Anarquia é um conceito político que prega a eliminação de qualquer forma de governo compulsório.

A origem do anarquismo é considerada por alguns como algo bem antigo, o que é justificado através de diversos textos de autores de um passado distante. Porém, sem dúvida, o anarquismo em sua forma moderna é bem datado, fruto do Iluminismo e especialmente das ideias do filósofo Jean Jacques Rousseau em torna da centralidade moral da liberdade. Outros intelectuais vieram depois formulando concepções políticas e econômicas do anarquismo até chegar a ideia de ausência total de um Estado e formação de sociedades voluntárias. O primeiro a efetivamente se declarar anarquista foi o filósofo francês Pierre Joseph Proudhon, considerado por algumas pessoas como fundador da teoria moderna do anarquismo.

A ideologia da Anarquia ganhou vários seguidores e desempenhou um importante papel entre as sociedades do século XX, momento em que repercutiu com maior força. O anarquismo esteve presente os seguidores da Revolução Russa de 1917 e nos movimentos civis da Espanha, por exemplo. A ideologia conquistou muitos trabalhadores europeus, que trouxeram as ideias quando migraram para o Brasil nas décadas finais do século XIX e nas décadas iniciais do século XX. Em território brasileiro, os imigrantes, sobretudo italianos, ajudaram a difundir os preceitos do anarquismo entre os trabalhadores e a ideologia anarquista foi fundamental para a eclosão das primeiras greves brasileiras ocorridas na década de 1910. Até a Segunda Guerra Mundial, o anarquismo permaneceu muito forte entre os movimentos operários, mas depois perdeu a característica de movimento de massa. Ainda assim, continuou influenciando revoltas populares como o Maio de 68, na França, o anti-Poll Tax, no Reino Unido, e os protestos nas reuniões da Organização Mundial do Comércio (OMC).

Anarquia, ao contrário do que imagina a cultura popular, nada tem a ver com a ausência de ordem. Mas sim com a ausência de coerção. Ou seja, anarquistas são basicamente contra qualquer ordem hierárquica que não seja livremente aceita. A noção equivocada do movimento foi promovida pela oposição politica e movimentos religiosos ao longo do século XX. Da mesma forma, ataca-se erroneamente o anarquismo acusando-o de ser um movimento sem solidariedade, enquanto, na verdade, o anarquismo tem como preceito básico o auxílio mútuo entre os homens.

O anarquismo, para bem saber, passa por preceitos que são fundamentais. O anarquismo é a emergência de um sentimento puro que permite a cada um desenvolver seu próprio instrumento intelectual, ou seja, é um princípio de não-doutrinação. Talvez o mais conhecido dos conceitos anarquistas seja o da revolução social, que consiste na quebra do Estado e de suas estruturas. É dele que vem a perspectiva do humanismo, defendendo que os grupos humanos seriam capazes de se organizarem de forma autônoma e não hierárquica. O que se liga ao conceito de antiautoritarismo. Todo esse panorama permitiria a liberdade necessária para qualquer pensamento, formulação ou ação anarquista. Rejeitam também a intermediação de políticos na resolução de problemas sociais, defendendo a ação direta e o apoio mútuo. Essas medidas devem ser difundidas, consistindo no conceito de internacionalismo. Os anarquistas compreendem as revoltas como importante substrato humano para o desenvolvimento social. Após a introdução desses conceitos, uma sociedade anarquista deveria ser baseada em uma educação avançada como base de coexistência harmônica. Como negam a hierarquia e as estruturas organizacionais, a sociedade anarquista deveria ser baseada na flexibilidade e na naturalidade das organizações. Essa sociedade seria organizada através de um federalismo libertário, que subdividiria a sociedade de modo que pudesse potencializar as interações humanas e sociais. E, claro, todos os indivíduos teriam responsabilidades individuais e coletivas.

Ainda assim, como acontece nas ideologias humanas, o anarquismo também não é único, é formado por várias vertentes interpretativas. Uma delas é a do mutualismo, que propõe uma ordem espontânea sem uma autoridade central e em um modelo de sociedade que se preocupa com a reciprocidade. A vertente individualista do anarquismo enfatiza a vontade do indivíduo sobre quaisquer tipos de determinantes externos. Já a vertente social do anarquismo defende um sistema de propriedade público dos meios de produção e também o controle democrático das instituições. Representa a maior escola de pensamento anarquista. Há ainda as numerosas correntes pós-clássica, como o anarcofeminismo, que une o feminismo radical e o anarquismo, e o anarquismo pós-esquerdismo, que procura se afastar da esquerda política tradicional.